thumb-dia-mundial-do-autismo

Dia Mundial do Autismo

Posted on Posted in Campanha

Hoje a minha amiga Biatriz Quadros do blog “Mãe do João” postou um link muito interessante no seu Facebook que reacendeu um pensamento meu sobre a necessidade que a sociedade tem pelos rótulos das pessoas e coisas! Ainda essa semana eu recebi, da também amiga Ana Marques do blog “Autismo, bem-vindo ao meu mundo“, o alerta sobre a proximidade do Dia Mundial do Autismo“, 2 de abril!

E tudo isso me fez rever sobre esses contextos que regem esses dois pensamentos, seus conflitos e objetivos, e vou tentar entrar em cada universo e buscar um equilíbrio entre eles. Mas antes, vamos assistir o vídeo que a Beatriz compartilhou:

O mundo é uma colcha de retalhos

Sim, somos todos diferentes! Culturas, gostos, opiniões, isso sem falar na etnia, credo, geolocalização, e tantas outras coisas que nos fazem “únicos”! Ainda sim, socialmente gostamos de viver em grupos! O homem desde antiguidade (desde sempre, na verdade!!) vive em grupos sociais! Portanto, categorizar as pessoas sempre foi uma premissa da sociedade! Brancos e negros, mulheres e homens, católicos e protestantes, enfim… a lista é praticamente infinita. É claro que segmentar a sociedade trás grandes problemas como o xenofobismo, antisemitismo, homofobia, e tantas outras classificações.

Quando essa “diferenciação” da sociedade rotula pessoas por sua saúde mental encontramos os mesmos tipos de problemas na classificação, o que acarreta preconceito e discriminação. O esclarecimento é sempre a melhor forma de amenizar esse problema. E o único jeito que eu vejo para isso é justamente falar sobre o seu “rótulo” levando em consideração que TODOS nós temos diferenças! É preciso diferenciar para nos tornar iguais em nossa individualidade!

Ações como a do “Dia Mundial do Autismo” trazem para a sociedade uma discussão onde conhecer suas características, capacidades e limitações nos torna comuns uns com os outros. Sou à favor do esclarecimento porém de forma moderada e atenta! Não gostaria que o meu filho fosse “nivelado” por sua síndrome, mesmo sabendo que ela sempre o acompanhará, ainda sim, o Nicolas é um ser-humano, com sonhos, desejos, frustrações, dilemas e aspirações para a sua vida!

O mal do mundo moderno

Eu tenho 38 anos (em 2011) e vejo que a minha geração e a sua anterior ainda sofre de uma época em que todos nós éramos reprimidos por “n” situações que não vêem ao caso agora. Mas o fato é que não fomos “preparados” para o mundo moderno em que vivemos. Nossas crianças estão absolutamente adaptadas a todas as tecnologias e sua multiplicidade e nós pais não! É fato que todos os pais são acometidos por dilemas, angústias inerentes a sua condição, mas o fato é que essa geração de pais sofre mais com o mundo atual e faz dessa geração obcecada por alguma referência que a guie, que a ajude no caminho a seguir, como propõem o vídeo acima.

É muito comum hoje em dia ouvir de pais que seus filhos tem algum tipo de problema. Há uma necessidade enorme em classificar ou justificar algum tipo de comportamento dos nossos filhos! Não sei a resposta para isso, nem a causa desse efeito. Imagino que isso faça mesmo parte da evolução da nossa geração. É comum ouvir pais dizendo frases do tipo: “No meu tempo, as crianças eram mais comportadas”, ou “Nossa! Essas crianças de hoje me dia já nascem sabendo tudo!”, ou frases da geração anterior como “Esses pais de hoje são muito moles com seus filhos!”.

Acredito que o sistema neurológico das crianças é “mais adaptável” por estar em evolução e constante aprendizado nos seus 7 primeiros anos de vida! Cabe a nós pais olharmos com critério e sensibilidade para fatos externos ao nosso cotidiano. Isso ajuda a não sofrer tanto ou pelo menos ameniza aquele “sentimento de culpa” tão comum!

E sobre o dia Mundial do Autismo?

Acho que devemos olhar com cuidado os “rótulos” que impomos aos nossos filhos. Eu mesmo só uso o termo “Síndrome de Asperger” quando vejo que é necessário para esclarecimento de uma pessoa, fora isso eu deixo a natureza correr seu curso normal. O Nicolas precisa achar o seu lugar no mundo mesmo com toda a sua dificuldade. Eu intervenho quando sinto que é necessário e a cada dia ele amadurece mais e mais por isso!

Mas ainda sim eu acredito que é preciso ajudar a conscientizar a sociedade sobre o autismo. A realidade do meu filho é muito mais “branda” do que a maioria dos autistas no mundo! Muitos sofrem preconceitos, são trancafiados em seus quartos pelas suas próprias famílias, são vítimas de bullying diariamente e não podemos nos calar frente a isso! Por isso eu apoio a campanha do “Dia Mundial do Autismo“.

No dia 2 de abril usarei uma roupa azul como forma de conscientização, divulgação e protesto. E você, o que fará nesse dia?!

11 thoughts on “Dia Mundial do Autismo

  1. Amei saber de tudo isso!!!! fico feliz em saber q as pessoas estao mais atenta a questao autismo pois quando vi q meu Renan tinha autismo entrei em desespero total mas meu marido logo me disse querida nao se deses pere pois se fosse mos tos iguais nao teria graça alguma!!!!!!!!!111 Amo inha Familia Amo meu Renan e aprendo muito com ele a ver as coisas simples da vida como a tempestade o sol em fim as coisas da Natureza Grande Dia Hoje!!!!!!!!!!!!!!

  2. AUTISMO??
    Aqui no Brasil, o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, estará iluminado com a cor que simboliza o autismo.
    Faça alguma coisa para divulgar o problema que pode existir na sua família.
    Talvez por falta de conhecimento até você pode discriminá-lo.
    Nosso filho é autista e, em momento nenhum tivemos vergonha dele.O nosso “LUTO” durou apenas o percurso da neuro até a nossa casa.
    Eu meu esposo e minha filha, trabalhamos muito hoje para que ele seje um homem independente amanhã.Esse é o nosso sonho!!!
    Procure saber mais sobre o caso.Só assim você poderá nos ajudar.
    Enfrentamos vários momentos difíceis.Mas com certeza o maior deles são os olhares de quem não conhece o problema e pré-julga.
    Hoje meu filho não mostra aparentemente a patologia e isso também é um problema pois acham que ele é apenas uma criança mimada.
    Aproveite o dia 02 de abril e fale com alguém.Se você não teve o prazer de conhecer um autista saiba que está perdendo uma grande oportunidade de crescimento.Eles nos ensina a cada dia.
    Descobri que especial somos nós que temos o prazer de sermos pais de um campeão(nosso BRUNÃO)!!!
    Vista azul você também!!!
    Beijão no ♥
    Fiquem com Deus.

  3. Tenho um filho de 8 anos (2011) autista. Amo com toda força que uma mãe pode amar a um filho e com certeza ele me ensina muito todos os dias… è muito difícil os olhares a ignorância das pessoas mas estamos eu e meu marido a cada dia conseguindo viver com isso e posso dizer com toda certeza ele é o maior presente que Deus podia ter nos dado. João mamãe te ama muito

  4. Olá Claudia,
    a aceitação é melhor passo para cuidar dos nossos filhotes!
    A luta agora é esclarecer todos ao nosso redor não é mesmo!?

    Obrigado pelo seu comentário!

  5. tenho um netinho com 3 anos autista nos encantamos com ele…cada dia e uma linda surpresa.comecou a falar agora..eu agredeco a DEUS ´por esta oportunidade que me deu.

  6. Meu filho tem sindrome d asperger,ele tem 5 anos,e estou me sentindo mais aliviada em saber q tem um movimento a divulgar o problema ainda muito duvidoso para muitas pessoas,quero saber mais e mais,obrigado.

  7. Tenho o Anthony com autismo de 10 anos posso dizer o presente que Deus me deu,ao passar dos dias aprendo mais e mais a ter paciencia e tolerancia com tudo de pior que vejo ao meu redor.posso afirmar que este anjo mudou o coração de muitas pessoas que tinha o maior preconceito.

  8. oi gente tenho um filho autista ele tem 8 anos é uma crinça maravilhosa muito carinhoso com todos muito inteligente adora o pai e eu sofro muito quando alguém olha diferente pra ele porq, p, mim ele é normal e todos os dias eu agradeço a Deus por ter colocado ele na minha vida pos é um anjo na minha vida te amo filho diego.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *