poster-filme-mary-e-max

Mary e Max – entendendo a mente de uma pessoa com Síndrome de Asperger

Posted on Posted in Aprendendo com Cinema

Acabei de assistir Mary e Max e resolvi que já era hora de colocar aqui no blog as minhas impressões de filmes que contam um pouco do universo do Nicolas. Criei uma nova categoria chamada “Aprendendo com Cinema” e de vez em quando vou postar aqui as lições que tirei do que assisti.

Para quem não sabe, Mary e Max – uma amizade diferente (original, Mary and Max) é baseado numa história real entre uma menina australiana de 8 anos e um novaiorquino de 44 que viraram amigos trocando cartas durante anos. O filme é feito na técnica stop-motion e finalizado em computação gráfica e é dirigido pelo estreante Adam Elliot.

O filme é pura sensibilidade e mostra claramente a dificuldade de entendimento da pessoa portadora da Síndrome de Asperger em compreender o mundo em que vivemos e suas resoluções sociais. Max mora sozinho e tem uma rotina típica de um “aspie“. Já Mary tem um pai que trabalha muito e que pouco vê e uma mãe alcoólatra. Além disso ela não é popular na escola por ter uma marca de nascença na testa que a molecada diz ter o formato de cocô, o que a deixa bastante deprimida e com a auto-estima bastante baixa.

Baseado nesses dramas pessoais é que o filme se apresenta com um roteiro cheio de questionamentos sobre a nossa sociedade atual do “tudo é pra ontem” e seus valores distorcidos. Mary e Max me fizeram ver o quanto precisamos ser mais sensíveis com as pessoas com alguma síndrome, mas também com as pessoas comuns (neurotípicas). Mesmo Max com toda dificuldade, teve sensibilidade para perceber as angústias e tristezas de Mary. Ela por sua vez, viveu a luta de compreender a mente de uma pessoa com a sua síndrome. Ambos, mesmos distantes um do outro, romperam barreiras, quebraram limites em prol do amor da mais pura amizade.

A lição que eu tiro do filme é que é preciso sempre estar atento ao próximo. Cada atitude nossa tem um impacto importante na vida de outra pessoa. Mesmo que ela não faça parte da sua rotina, estamos todos interligados e olhar as pessoas nos olhos e ser sincera com ela é um princípio básico que deveria ser nato na sociedade. Mary e Max souberam respeitar suas diferenças e conseguiram achar pontos comuns e viveram uma grande amizade.

Recomendo fortemente o filme e deixo o trailler para vocês se animarem! Até a próxima!

16 thoughts on “Mary e Max – entendendo a mente de uma pessoa com Síndrome de Asperger

  1. Adorei o filme e adorei o post. Acho que é como vc fala: “precisamos ser mais sensíveis com as pessoas com alguma síndrome, mas também com as pessoas comuns.” Precisamos exercer mais a generosidade com tudo que nos cerca! Todos saem ganhando com isso!

    Abraço, Eliane

  2. Oi Gustavo,
    na verdade eu já estava com esse filme desde o ano passado e depois da sua sugestão eu me senti obrigado a assisti-lo! 😉
    Foram 3 dias (sim, pai de dois filhos assiste filme parcelado) e terminei ontem! Espero que tenha gostado da ideia dos reviews de filmes aqui do blog.

    Abraços!

  3. Só o fato de uma pessoa fazer uma animação sobre autismo já me anima muito e me deixa muito feliz. Amei o filme, produção, roteiro e a forma de se tratar a síndrome de asperger. Como a Luiza disse, fizemos um post no blog que vale a pena ler para darmos mais valor ainda nessa produção.

    Beijos!

  4. Oi @Luiza Coelho e @Karla Coelho,
    acabei de fazer um comentário por lá no artigo de vocês! Ficou lindão heim! Bem completo e bem escrito, como sempre!
    Beijos nas duas e no Luiz Jr. 😀

    Obrigado pela presença aqui!

  5. Parabéns por sua iniciativa somos educadoras d educação infantil e estamos finalizando nosso curso de Inclusão Social. E Esse filme é uma graça.

  6. Gostei também do filme e do Post, e tenho uma curiosidade, alguém sabe em que livro foi baseado o filme? Sei que não foi em um com o mesmo nome, se alguém soubre, por gentileza, poderia colocar o nome.

  7. Assisti o filme hoje na faculdade e me identifiquei com muitas coisas.
    Precisamos rever nossos conceitos de amizade e solidariedade com o próximo.
    Recomendo,ótimo filme!

  8. Esse filme é apaixonante,lindooo,sensivel,inteligente, utilizando a imagem ludica desprenteciosamente nos toma pela emoção,é simplesmente profundo,tocante.É um chamado para sairmos da superficie….mostra como tudo se torna possivel qdo exercemos nosso potencial humano…aquele que nos confere a capacidade de amar, essa é a maior força,o maior poder que trazemos dentro de nós. Distancia,tempo,idade tudo é vencido,qdo aprendemos a “trocar” desinteressadamente… ai sim…..a vida acontece de forma branda e generosa,ainda que tds as condições sejam adversas.O filme mostra como nossas fragilidades nos trancafiam,e o qto precisamos estabelecer elos que nos mantenham vivos e libertos.Aquilo que mais precisamos receber é justamente o que precisamos aprender a doar.O filme fala essencialmente de uma chama que é alimentada pelo olhar terno, profundo,afetuoso e companheiro de duas pessoas que nem se conhecem, mas que são conhecedoras de uma profunda solidão,e que se tornam muito amigas,mto próximas, ainda que vivendo em universos tão distintos e tão distantes,e que encontraram nesse vinculo verdadeiro, mais que um esteio mas um norte para a vida.

  9. MARY & MAX, foi um dos filmes mais bonitos que já vi. Muito emocionante. Uma história incrível que rompe todos os preconceitos e se revela no mais sublimes dos sentimentos:o AMOR. Você fica ligado a todos os detalhes da da história. Começo ao fim. Lindo!!! Recomendo.

  10. Eu resolvi assistir o filme mais uma vez hoje e depois de terminar fui pesquisar a respeito e acontece que na verdade o filme não é baseado numa historia real, é baseado no amigo por correspondência do roteirista/diretor do filme.

  11. Parabéns pelo post. Na época eu estudava animação e então comprei o filme antes mesmo de assistí-lo, por achar o trailer interessante. O filme em si, no entanto, me surpreendeu em todos os aspectos e me deixou muito emocionado! Sofri muito bullying na infância e adolescência e então me identifiquei com muitas das situações mostradas no filme, entre elas o isolamento. Acredito que por conta disso hoje consigo me expressar muito melhor escrevendo do que verbalmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *